Quatro anos depois de eliminar o Brasil nas quartas de final da  Copa América  de 2011, o Paraguai está muito confiante em poder repetir o feito no próximo sábado, a partir das 18h30 (de Brasília), quando as equipes se enfrentam em Concepción. 
A imprensa do país está animada com a ausência de Neymar e considera que a Seleção vive momento ruim. 
Mas o zagueiro Paulo da Silva freou a empolgação ao dizer que os comandados de Dunga não precisam jogar bem para vencer. 
“Está claro que Neymar é um jogador importantíssimo para sua seleção, fez temporada brilhante no Barcelona, ganhou a tríplice coroa. Mas o Brasil é muito perigoso, já demonstrou que, às vezes, não joga bem e consegue o resultado. O resultado está acima de jogar bem. É uma seleção totalmente perigosa, tem jogadores que desequilibram e é muito boa na bola parada”, avaliou o jogador. 
Veterano na seleção paraguaia, o zagueiro de 35 anos estava na equipe que superou o Brasil de Mano Menezes nos pênaltis há quatro anos. E apesar de considerar que o Paraguai atual é superior àquele – que chegou à final da Copa América com uma sequência de cinco empates –, Da Silva afirmou que seus companheiros terão que fazer um “jogo quase perfeito” para chegar à semifinal. 
“Existe um certo lado de dificuldade, porque sabemos que é o time do Brasil. Mas nós nos conhecemos bem, são dois times que chegaram com esforço e mérito aonde estão. Se queremos passar das quartas outra vez, teremos que fazer um jogo quase perfeito, porque o Brasil é um time que chega e não te perdoa”, elogiou o defensor. 
“Há quatro anos, entramos como um dos piores terceiros, sem ganhar um jogo, e não ganhamos até a final. Estamos mais fortes em questão de resultado, 50% do plantel está mantido, estamos mais experientes, sabemos jogar esse tipo de jogo. Nessa partida, é matar ou morrer nos 90 minutos”, continuou. 
O Paraguai tem o desfalque praticamente certo de dois titulares no meio-campo para pegar o Brasil. Uma ausência garantida é a do volante Ortiz, suspenso pelo segundo cartão amarelo, enquanto Ortigoza, considerado o principal armador de jogadas do time, dificilmente se recuperará a tempo de uma lesão muscular. Essa última baixa é a mais lamentada por Paulo da Silva. 
“Foi um golpe muito duro o de Ortigoza, porque é um dos jogadores que melhor trata a bola, nos dá saída e altas possibilidades de passe. O estudo disse que é uma lesão mínima, mas acho que, sendo muscular, é difícil que chegue bem no sábado. Mas há jogadores para substituí-lo e a comissão técnica vai analisar melhor”, encerrou. 
HW COMUNICAÇÃO com Portal Terra

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.