A Justiça Federal determinou o bloqueio de R$ 137,5 milhões da construtora Mendes Júnior e de seus executivos para garantir o ressarcimento do dinheiro desviado da Petrobras. 
No total, o Ministério Público Federal (MPF) conseguiu, até o momento, o bloqueio de R$ 1,1 bilhão de empreiteiras e pessoas envolvidas no esquema de corrupção.

O bloqueio afeta os bens da Mendes Júnior Participações S/A, da Mendes Júnior Trading e Engenharia S/A, do ex-vice-presidente executivo da trading, Sergio Cunha Mendes, do ex-vice-presidente corporativo Ângelo Alves Mendes e de Rogério Cunha de Oliveira, Alberto Elísio Vilaça Gomes e José Humberto Cruvinel Resende, todos ex-funcionários do grupo.

Em abril deste ano, foram bloqueados R$ 153,9 milhões em bens da Jackson Empreendimentos S/A, de Engevix Engenharia S/A e do ex-vice-presidente das duas empresas, o executivo Gerson de Mello Almada.

Já no início deste mês, a Justiça Federal tornou indisponíveis R$ 544 milhões das construtoras Camargo Corrêa (R$ 242 milhões) e Galvão Engenharia (R$ 302 milhões). 

Na semana passada, o MPF obteve o bloqueio de R$ 282 milhões em bens da OAS S.A. e seus diretores.

HW COMUNICAÇÃO com Jornal do Brasil

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here