Em um dia em que tudo parecia dar errado, Lewis Hamilton conquistou o tetracampeonato mundial na Fórmula 1, faltando duas provas para a conclusão da temporada, e igualando lendas como Michael Schumacher (tem sete, no total), Juan Mauel Fangio (cinco), Alain Prost e seu atual rival Sebastian Vettel.

Para levantar a taça, o piloto da Mercedes não ficou no pódio, no Autódromo Hermanos Rodríguez, na Cidade do México, na tarde deste domingo. Terminou na modesta nona colocação, consequência de um grande azar na largada, quando teve o pneu direito traseiro furado após receber um choque da Ferrari de Vettel.

Mas foi o suficiente. Isso porque Vettel, o único capaz de impedir o feito de Hamilton, não conseguiu vencer a prova – condição mínima para que o título fosse adiado. Também prejudicado pela batida no início da prova, o alemão da Ferrari foi o quarto colocado.

Assim, ao final da prova, a diferença na pontuação entre Hamilton, primeiro colocado no Mundial de pilotos, e Vettel, o segundo, foi de 56 pontos (ou, se preferir: 333 a 277 pontos).

O vencedor do GP do México foi Max Verstappen, da Red Bull, líder desde a primeira volta – ele foi o que mais se beneficiou do choque entre Vettel e Hamilton. Na sequência vieram Valteri Bottas, da Mercedes, e Kimi Raikkonen, da Ferrari, no segundo e terceiro lugares, pela ordem.

As duas próximas etapas são no GP do Brasil, em 12 de novembro, e o GP de Abu Dhabi, em 26 de novembro.

Confusão logo na largada
A largada foi bastante confusa e logo na primeira curva ocorreu o incidente que limitou a participação de Vettel e Hamilton na prova.

O alemão da Ferrari perdeu a liderança para Verstappen, quase tocando o rival da Red Bull. No choque, perdeu uma pequena parte do bico do carro. Cairia para terceira posição, uma vez que Hamilton estava aproveitando a brecha, mas Vettel acabou tocando a Mercedes com o pneu esquerdo e a parte quebrada do bico de seu carro.

O contato foi suficiente para furar o pneu direito traseiro do carro de Hamilton. O britânico caiu quase que imediatamente para o último. Vettel também perdeu várias posições. Ambos pararam nos boxes no início da segunda volta. Assim, Verstappen se isolou na liderança e ficaria até o final.

Recuperação
A batida no início desestabilizou bem os dois pilotos, embora foi Vettel quem demonstrou maior instabilidade e irritação. Chegou a tomar bronca da equipe da Ferrari ao reclamar de um toque de Massa. O recado foi claro: “Foco na prova”.

Foi isso que o alemão fez a partir de então. Para azar dele, Hamilton adotou a mesma estratégia.

Das últimas posições, Vettel já aparecia em oitavo após 31 voltas. Hamilton era o penúltimo, na 16ª colocação, mas ele tinha tirado boa parte das voltas de diferença tomadas por conta do pneu furado. Ou seja, ambos estavam buscando uma difícil recuperação.

Na volta de número 40, Vettel aparecia em sétimo, enquanto Hamilton estava em 14º. Dez voltas depois a recuperação era mais nítida: Vettel, em sexto; Hamilton, em 12º.

Friamente pode não parecer nada de mais, mas dada a distância, a avaria nos carros, a recuperação só podia ser obtida por dois gênios da F1.

Remando contra a maré
No entanto, as mudanças de posições citadas acima não alteravam o que parecia cada vez mais claro: o vencedor do Mundial de pilotos. No final, o resultado era o mesmo: Hamilton tetracampeão. Ou seja, a pressão maior estava em Vettel.

Para evitar o título do rival, o piloto da Ferrari precisava, no pior cenário, terminar na segunda colocação e torcer para Hamilton ficar no máximo em nono. Um terceiro lugar já não servia para Vettel, mesmo que o britânico da Mercedes não pontuasse no México.

O motivo era simples: Hamilton iniciou a prova deste domingo com 66 pontos de vantagem para Vettel, faltando mais duas provas para o fim da temporada.

Tetra carimbado
O que parecia difícil para Vettel ficou ainda pior na volta de número 57. Foi quando Hamilton apareceu pela primeira vez na zona de pontuação, ocupando o décimo lugar. Neste momento, o piloto da Ferrari era o quarto colocado.

Esse cenário persistiu praticamente até as voltas finais.

O desespero de Vettel foi aumentando e ficou grande porque ele ficou atrás justamente do companheiro de Ferrari, Kimi Raikkonen, terceiro colocado, faltando quatro voltas para o término da prova. Teve quem apostasse um jogo de equipe, mas a distância era grande, o que fez alemão soltar um “Mamma mia” pelo rádio.

O final da prova ainda deu um presente aos fãs de Fórmula 1. Em décimo, Hamilton travou um belo duelo com Fernando Alonso, da McLaren, pelo nono lugar. Não foi uma simples ultrapassagem. Foi uma batalha, que teve como vencedor o britânico.

Confira a classificação do GP do México
01. Max Verstappen (HOL/Red Bull)
02. Valtteri Bottas (FIN/Mercedes)
03. Kimi Raikkonen (FIN/Ferrari)
04. Sebastian Vettel (ALE/Ferrari)
05. Esteban Ocon (FRA/Force India)
06. Lance Stroll (CAN/Williams)
07. Sergio Pérez (MEX/Force India)
08. Kevin Magnussen (DIN/Haas)
09. Lewis Hamilton (GBR/Mercedes)
10. Fernando Alonso (ESP/McLaren)
11. Felipe Massa (BRA/Williams)
12. Stoffel Vandoorne (BEL/McLaren)
13. Pierre Gasly (FRA/Toro Rosso)
14. Pascal Wehrlein (ALE/Sauber)
15. Romain Grosjean (FRA/Haas)

Não completaram
Daniel Ricciardo (AUS/Red Bull)
Nico Hulkenberg (ALE/Renault)
Brendon Hartley (NZL/Toro Rosso)
Marcus Ericsson (SUE/Sauber)
Carlos Sainz (ESP/Renault)

HW COMUNICAÇÃO

Fonte: ESPN Brasil

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.