O Facebook pediu aos donos do FaceGlória que mudem o nome e endereço da rede social voltada a evangélicos e inspirada no site de Mark Zuckerberg.

A solicitação foi feita por meio de notificação extrajudicial enviada em 1º de julho pelo escritório de advocacia Danneman Siemsen Advogados, que assessora o Facebook em questão relacionadas a propriedade intelectual.

Surgido em junho, durante a Marcha para Jesus, em São Paulo, o FaceGlória quer ser uma alternativa ao Facebook, considerado muito permissivo pelos religiosos. 

O novo site causou polêmica por proibir beijo gay, mas liberar fotos de biquíni.

Assinado pela advogada Sandra Leis, o documento, ao qual a reportagem teve acesso, é direcionado à empresa Alpha Atlantic, responsável pela gestão do registro de marcas. 

O escritório do Facebook pede que o FaceGlória “redirecione usuários para outro sítio na internet, que não se confunda com o Facebook, ou seja, não contenha os termos FACE ou BOOK, qualquer logo de propriedade do Facebook, ou utilize qualquer estilização ou aparência que possa criar risco de associação com a rede social Facebook”.

O Danneman Siemsen exige uma resposta “dentro de 7 dias”, período após o qual se sentirá livre para “adotar as medidas que julguemos convenientes para defender os direitos de propriedade industrial e a reputação da marca do nosso cliente”.

Propriedade intelectual – O pedido do site norte-americano esbarra na lei brasileira, que respalda o FaceGlória. O registro da marca FaceGlória foi concedido pelo Instituto Nacional de Propriedade Industrial (Inpi) em fevereiro de 2012 a Acir Lopes, responsável pelo site.

Mussolini – “O Facebook tomou essa iniciativa porque já se sente incomodado com a repercussão internacional do FaceGlória”, afirmou Acir Santos, também prefeito de Ferraz de Vasconcelos (SP) e conhecido como Acir Filló. “Nós, com pouquíssima estrutura, já temos 100 mil usuários. Daí para chegar a 1 milhão, 10 milhões é um pulo.”

Segundo Santos, o Facebook adotou uma posição autoritária ao pedir que o FaceGlória abandone sua marca. “Eu comparo o Zuckerberg ao [ditador italiano Benito] Mussolini. Eu não vou falar [alemão Adolf] Hitler porque é muito pesado. Por que não pode ter um FaceGlória, um Facegay?” “Você percebe que vai ter aí uma guerra, não religiosa, mas virtual de existência.”

Apesar disso, Lopes afirma que “vai buscar um acordo” para que as marcas coexistam. “Até porque o formato de rede social é antigo. Se você pegar o Orkut, é muito parecido com o Facebook. O Facebook copiou o Orkut, que copiou um outro.”

HW COMUNICAÇÃO com G1

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here