A operação Cartola da polícia civil e Gaeco, põe em suspeição oito títulos do Treze, Botafogo e Campinense. Há suspeita de compra de resultados e desvio de renda dos jogos.

A novela que envolve o futebol da Paraíba ganhou novo capítulo ontem daqueles que só reforçam o mar de lama que eu esporte brasileiro tem se transformado.

Uma operação realizada pelo grupo de atuação Especial contra o crime organizado Gaeco do Ministério Público da Paraíba e a polícia civil intitulada operação cartola cumpriu 39 mandados de busca e apreensão o alvo principal foi a sede da Federação paraibana de futebol FPF em João pessoa além de outras cidades como Cabedelo, Campina Grande e Cajazeiras.

Os títulos paraibanos conquistados Durante os anos de 2011 e 2018 quando foram campeões Botafogo, Campinense e o Treze podem trazer parte desta investigação. Pelo menos foi o que disse o presidente da F PF Amadeu Rodrigues.

O delegado Lucas Sá da polícia Civil disse que não podia revelar detalhes sobre operação pois as investigações corre em segredo de justiça.

Os envolvidos estão sendo investigados Por supostamente integrarem um possível esquema que envolve manipulação de resultados de campeonato de futebol, adulteração de documentos, interferência e decisões da Justiça Desportiva TJD e desvio de valores oriundos de partida de futebol profissional.

Veja a lista dos envolvidos abaixo:

Cartolas

AMADEU RODRIGUES – Presidente da FPF
FEDERAÇÃO PARAIBANA DE FUTEBOL (FPF)
ROSILENE DE ARAUJO GOMES – Ex-presidente da FPF
MARCOS SOUTO MAIOR – Advogado da FPF
JOSÉ RENATO (ZÉ RENATO) – Presidente da Comissão de Arbitragem
SEVERINO LEMOS (BINA) – Diretor de arbitragem da FPF
LIONALDO SANTOS – Presidente do Tribunal de Justiça Desportiva
ZEZINHO DO BOTAFOGO – presidente do Botafogo
BRENO MORAIS – Vice-presidente do Botafogo
BRENO MORAIS / EMPRESA NORDIL
DR ALEXANDRE – Advogado e vice-presidente jurídico do Botafogo
FRANCISCO SALES – Diretor do Botafogo
WILLIAM SIMÕES – Presidente do Campinense Clube
JUAREZ LOURENÇO – presidente do Treze
FABIO AZEVEDO – Dirigente do Treze
ALANKARDEC CAVALCANTI – Dirigente do Treze
JOSIVALDO GOMES – Presidente do CSP

Árbitros

RENAN ROBERTO – Árbitro de futebol da FPF
ADEILSON CARMO – Árbitro de futebol da FPF
JOSÉ MARIA DE LUCENA NETTO (NETO) – Árbitro de futebol da FPF
ANTONIO CARLOS DA ROCHA (MINEIRO) – Árbitro de futebol da FPF
JOÃO BOSCO SÁTIRO DA NOBREGA – Árbitro de futebol da FPF
ANTONIO UMBELINO – Árbitro de futebol da FPF
DIEGO ROBERTO – Árbitro de futebol da FPF – Apitou Nacional de Patos X Nacional de Pombal, jogo que repercutiu mundialmente após erro da arbitragem que prejudicou Nacional de Pombal (RELEMBRE).
EDER CAXIAS – Árbitro de futebol da FPF
TARCISIO JOSÉ DE SOUZA (GALEGUINHO) – Árbitro de futebol da FPF
LUIS FILIPE – Árbitro de futebol da FPF
ÁDGUERRO XAVIER – Árbitro de futebol da FPF

Funcionários

JOSÉ ARAÚJO DA PENHA (ARAÚJO) – Funcionário da FPF
LUCAS ANDRADE – Funcionário da FPF
SONIA ANDRADE – Funcionário da FPF
BENEDITO DA PENHA MEDEIROS JUNIOR (BENINHA) – Filho de diretor do Botafogo

Operação resultado de mais de seis meses de investigações e tem por objetivo apurar os crimes cometidos por uma organização composta por membros da Federação paraibana de futebol FPF Comissão Estadual de Arbitragem da Paraíba (CEAF).
 Tribunal de justiça desportiva da Paraíba TJD e dirigentes de clube de futebol profissional do estado da Paraíba.

Foi possível identificar a existência de dois núcleos principais com aproximadamente 80 membros identificados sido o primeiro liderança formado por membros da FPF CEAF,  dirigentes de clubes de futebol profissional.
 Este núcleo cartola é responsável pelas decisões mais importantes relacionadas ao meio de futebol paraibano e conta com uma sofisticada rede de proteção elevado grau de articulação institucional.

O segundo núcleo identificado é formado por membros executores ligados arbitragem funcionários da F PF e clubes de futebol que atuam Segundo a Direção a determinação do núcleo principal.

FPF se defende

Principal alvo da operação cartola que visa desarticular um possível esquema de manipulação de resultados no futebol entre outros crimes a Federação paraibana de futebol se posicionou sobre o caso na tarde de ontem.
 Por meio de nota oficial assinada pelo diretor jurídico Marcos Souto Maior Filho que também está na lista de investigados a FPF diz que foi surpreendida com a operação mas se coloca disposição da Justiça.
 Também no documento Souto Maior Filho rechaça a forma como a investigação foi conduzida, já que segundo ele a operação cartola da entender que a FPF o TJD e a CEAF são alguns em conjunto. Segundo ele o mandatário da FPF não tem qualquer controle sobre as instituições.

Em outro ponto a nota justifica a suspeita de manipulação do sorteio de arbitragem alegando que os mesmos são realizados de forma idônea com transmissão ao vivo pelo Facebook da entidade e com a presença de dirigentes e da imprensa.

A reportagem tentou entrar em contato com presidente Amadeu Rodrigues mas o dirigente não atendeu as ligações segunda assessoria de imprensa da FPF o cartório está no Rio de Janeiro onde foi acompanhar sorteio da pra Copa do Nordeste realizado na tarde de ontem Amadeu deve retornar uma pessoa apenas amanhã.

Atlético e CSP respondem

O que dizem os maiorais
HW COMUNICAÇÃO

Fonte: Portal Correio

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here