Deputado Wellington Roberto (PR-PB) usou R$ 189 mil da cota parlamentar para abastecer carros do seu escritório político em posto de seu irmão. 
Procurado pelo colunista Lúcio Big, o parlamentar afirmou que não vê problemas e que só devolverá o dinheiro se a Câmara determinar. Leia abaixo a coluna de Big.

Desde outubro de 2009, o deputado federal Wellington Roberto (PR/PB) abastece os veículos de seu escritório político de Campina Grande (PB), no Posto de Combustível Shopping Ltda-ME. 

O estabelecimento tem como sócios José Edvan Roberto e Carla Germana L. B. Roberto, irmão e cunhada do deputado.
Ao todo já foram gastos R$ 189.196,80 até o dia 30 de junho de 2015.

A Câmara Federal proíbe que seus deputados contratem empresas que pertençam a seus parentes de até terceiro grau, com o dinheiro público da Cota para o Exercício da Atividade Parlamentar (CEAP).

A regra

Ato da Mesa 43/2009 – Art. 4º – § 13. Não se admitirá a utilização da Cota para ressarcimento de despesas relativas a bens fornecidos ou serviços prestados por empresa ou entidade da qual o proprietário ou detentor de qualquer participação seja o Deputado ou parente seu até o terceiro grau.

“Não devolverei”

Durante contato telefônico feito por mim diretamente ao deputado em 16/07, ele afirmou que não houve prejuízo ao erário público e que não vê motivos para devolver esta quantia, exceto se a diretoria da casa assim determinar.

De fato, o deputado poderia abastecer os veículos em outros postos de combustíveis, sem com isso ter praticado irregularidades e ainda teria gasto o mesmo valor. 

Entretanto, não apenas o Ato da Mesa, mas a própria Constituição Federal, em seu Art. 37, afirma que a administração pública, direta ou indireta, deverá obedecer aos princípios da legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência.

Abastecer, com dinheiro público e no posto de combustíveis de parentes, os veículos que prestam serviços a seu escritório político, é sim uma afronta aos princípios da IMPESSOALIDADE e MORALIDADE.

O abaixo-assinado

Como o deputado não devolverá espontaneamente a quantia de dinheiro público utilizada irregularmente, a OPS, organização da qual sou fundador e coordenador, entregará um abaixo-assinado na Diretoria Geral da Câmara dos Deputados nesta última semana de julho. 

Esta diretoria deverá apurar o caso e, ao ser confirmar a denúncia (e não há como não se confirmar), esta diretoria deverá cumprir o que determina as regras explicitadas no Ato da Mesa 43/2009 exigindo o ressarcimento aos cofres da Câmara, de toda a quantia irregularmente utilizada.

Mais do mesmo

Um caso semelhante se tornou conhecido em fevereiro desse ano. O deputado carioca Paulo Feijó, do mesmo partido do Wellington Roberto, abasteceu seus veículos no posto do genro. 

A OPS exigiu a devolução R$ 168.489,45 mil aos cofres públicos e o parlamentar atendeu espontaneamente. O ressarcimento está sendo feito em parcelas mensais que terminarão em janeiro de 2019.

O político

José Wellington Roberto assumiu o cargo de senador da República entre 1998 e 2003, devido à morte do titular Humberto Lucena. 

Depois disso, elegeu-se deputado federal e até hoje continua no 5º andar do Anexo IV da Câmara Federal. 
Na 54ª Legislatura (2010-2014), o deputado gastou R$ 1.637.999,45 do dinheiro público da CEAP(¹). O gasto com combustíveis ficou em 4º lugar dentre as rubricas.

DESPESAS EFETUADAS PELO DEPUTADO WELLINGTON ROBERTO COM O DINHEIRO DA CEAP NA 54ª LEGISLATURA

HW COMUNICAÇÃO Com Congresso em Foco

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.